Telefone: (11) 3032 - 6742      contato@genoads.com.br      Rua Álvaro Anes, 46, Pinheiros, São Paulo - SP
Please reload

Posts recentes

Cabotagem : modelo para avaliar sua inserção na gestão de cadeia de suprimentos de uma empresa.

10/03/2015

A movimentação via cabotagem é o transporte de cargas em meio marítimo entre portos um uma mesma costa. De forma geral, diversos estudos indicam a cabotagem como uma alternativa viável e adaptada para o transporte de longa distância, havendo economia em diversos fatores em comparação com modais mais utilizados, como o rodoviário e o ferroviário.

 

Atualmente a cabotagem é apontada como o elemento a propor o redimensionamento da matriz de transportes no Brasil. Dos principais fatores que evidenciam seu potencial econômico podemos citar a baixa quantidade de combustível utilizada pelas embarcações, a grande extensão do litoral brasileiro, a concentração de atividade econômica próxima à costa (padrão histórico) e a possibilidade de ganhos de escala. Porém, problemas gerais enfrentados no setor portuário, como burocracia, infraestrutura precária e altos custos com pessoal, ainda retardam o desenvolvimento do setor.

 

Apesar disso, a cabotagem tem apresentado crescimento constante nas últimas décadas, ultrapassando a quantidade de 134 milhões de toneladas no ano 2000 para 201 milhões de toneladas em 2012, representando um expressivo crescimento de 50% no período (CNT 2013). Entretanto, para o mesmo período, a cabotagem manteve o mesmo nível de significância na matriz de carga nacional, com uma variação entre 27% e 23% do total de carga movimentada (ANTAQ 2012).

 

Através de avaliações do cenário atual da movimentação de cabotagem no Brasil, nota-se que se trata de um transporte dedicado, principalmente, a movimentação de combustíveis e derivados (granéis líquidos), correspondendo a 77% do volume total transportado no setor.  Ainda assim, destacam-se na movimentação os granéis sólidos e contêineres, com 5,1% do total de tonelagem transportada (10 milhões de toneladas/ano) (ANAQ 2012).

 

 

Cabotagem na minha suply chain

 

Para avaliarmos a cabotagem, como elemento a ser inserido na gestão de cadeia de suprimentos de uma empresa, deve-se pautar dois critérios principais: Custo e Nível de Serviço. O custo deve ser relacionado à todos os processos que serão afetados pela opção do modal, ou seja, custos de transporte, custos tributários, custos de transbordo, custos de armazenagem, entre outros. Já quanto ao nível de serviço, devemos identificar quais são os índices de desempenho relevantes à operação logística em questão. Entretanto, a relação entre nível de serviço e custo total não apresenta comportamento linear, e é necessário realizar uma avaliação detalhada a fim de buscar melhor balanço entre esses dois critérios.

 

Relacionando os principais elementos de custo e nível de serviço, que devem ser avaliados, e como as características da cabotagem os influencia, a questão que surge é de como será possível colocar todos esses elementos em um framework único de análise. 

 

A questão pela opção do modal cabotagem está dentro da necessidade de se replanejar e redimensionar toda a malha logística, o que envolve diversos aspectos operacionais e estratégicos, como custos e nível serviços já citados, mas também avaliações de cunho qualitativo. Sendo assim, podemos concluir que um estudo logístico para avaliar a viabilidade da cabotagem deve contemplar:

  • Coleta e analise de dados quantitativos e qualitativos relevantes para a tomada de decisão;

  • Proposição de um modelo matemático de otimização para avaliação dos custos globais de cenários da malha logística;

  • Avaliação de cenários de acordo com o modelo de decisão com múltiplos critérios;

  • Sugestão final de malha logística eficiente, optando ou não pela cabotagem

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Please reload

Arquivo
Categorias
Please reload